quinta-feira, 2 de agosto de 2012

desistências.



Em minha mente às vezes insana,
voam lembranças, perfumes, pequenos fragmentos de saudade.

Meu vermelho e ácido sangue,
revela o quão já injetaram seus venenos.

Meu corpo sente dores que outrora não existiam...

Meu coração já não crê no homem, nas promessas,
nos carinhos momentâneos de uma paixão de corpo...

Meus dias se vão
nas curvas penumbres das estradas da vida,
no abrir e fechar de olhos.

Minha alegria, a le gri a ?
se soubesse por onde anda,
marcaria um encontro
para sentir a paz de um sorriso de verdade.





Elas.


Nenhum comentário: